Inteligência Emocional e o sucesso profissional

Janeiro/2016

 

Há muito tempo falo sobre a importância de termos uma Inteligência Emocional bem desenvolvida, para termos sucesso profissional. Mas o que é Inteligência Emocional? Conceito presente na Psicologia, criado pelo psicólogo norte-americano, Daniel Goleman, que é basicamente a capacidade de uma pessoa em perceber, compreender, avaliar e administrar as suas emoções e também as emoções das pessoas que a cercam. 
    

O famoso Quociente de Inteligência (Q.I) ainda é importante, mas é a Inteligência Emocional a protagonista no mundo dos negócios de hoje. Há pesquisas científicas, publicadas em revistas do segmento, que comprovam isso, onde “pessoas com altos níveis de QI são superadas 70% das vezes por pessoas emocionalmente inteligentes”.
    

A Inteligência Emocional, segundo Goleman, pode apresentar cinco habilidades específicas: “Autoconhecimento emocional; Controle emocional; Automotivação; Empatia; e Desenvolver relacionamentos interpessoais (habilidades sociais)”. Sabemos que apresentar todos esses fatores não é nada fácil, precisamos aprender a desenvolver a autocrítica e a reflexão acerca das nossas emoções. 
    

Bom-humor e ótimo relacionamento estão entre as características de uma pessoa que possui Inteligência Emocional. E, aos poucos, as empresas começam a perceber o quanto isso é vital na hora da escolha de profissionais para cargos de gestão, que assumirão liderança de equipe. Daí você deve estar se perguntando, mas como realizar a seleção para descobrir se o candidato tem ou não Inteligência Emocional? Simples, pois, há profissionais especializados na área da Psicologia que realizam testes emocionais, avaliando questões de empatia, assertividade, felicidade e autoconhecimento, avaliando esse candidato. 
    

Uma pesquisa realizada em 2014 e 2015 pela Talentsmart Consultoria Empresarial, de San Diego, Estados Unidos, comprovou que a Inteligência Emocional (também chamada de Quociente Emocional – QE) pode ser mais determinante para o sucesso na carreira profissional de uma pessoa do que o famoso QI.
    

Separar questões profissionais das pessoais é outro fator que se refere à Inteligência Emocional. Saber administrar as emoções domésticas (problemas pessoais – família e amigos) e ter foco nas questões da empresa, principalmente, quando estiver no seu horário de expediente, é essencial nesses tempos, ainda mais difíceis em função de todo contexto social, econômico e político que vivemos em nosso país. 
    

Todos possuem a capacidade para desenvolver a sua Inteligência Emocional, mas é preciso compreender o quanto isso é essencial para a sua vida profissional.

Porto Alegre 

Rio Grande do Sul

Brasil

  • YouTube Social  Icon
  • Wix Facebook page